Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Maior lago de água doce da China está seco

Mäyjo, 03.12.14

Maior lago de água doce da China está seco (com FOTOS)

O lago Poyang, o maior de água doce da China, está desde o início de Janeiro completamente vazio devido à seca extrema. O lago, com uns impressionantes 3.500 quilómetros quadrados, é uma das maiores atracções da região de Jiangxi.

De acordo com a Beijing News, a seca não é a única responsável pelo esvaziamento do lago. Uma nova infra-estrutura de armazenamento de água, construída no reservatório da maior barragem do mundo, a Three Gorges, também terá estado na origem do estranho fenómeno.

Agora, os turistas podem visitar, a pé, o pavilhão construído no meio do lago. Até agora, apenas o barco garantia esta visita. A seca revelou ainda uma antiga ponte de pedra, que se encontrava escondida debaixo de água.

Com 2,9 quilómetros, a ponte de pedra data de 1631, é feita de granito e foi uma das 1000 pontes construídas, então, pela dinastia Ming.

A seca está a afectar as pessoas que dependem desta água para sobreviver, as zonas húmidas e crescimento da vegetação local. Segundo a Beiking News, a indústria da pesca foi “dizimada” pela seca.

A falta de peixes é também uma péssima notícia para a ecologia e biodiversidade local. Mais de meio milhão de pássaros migrantes, que normalmente param em Poyang, não têm alimento.

Guarani: tribo brasileira tem a taxa de suicídio mais elevada do mundo

Mäyjo, 03.12.14

Guarani: tribo brasileira tem a taxa de suicídio mais elevada do mundo

Um novo estudo revela que uma tribo brasileira sofre da mais elevada taxa de suicídio em todo mundo. Em 2013, pelo menos 72 membros da tribo Guarani cometeram suicídio (o equivalente a 232 por 100.000 habitantes), uma taxa que triplicou ao longo das duas últimas décadas. A maioria das vítimas tem entre 15 e 30 anos.

Os Guarani, que vivem numa região que tem as principais terras agrícolas do sul do Brasil, perderam grande parte do seu território natural para pastagens de gado, fazendas e plantações de cana-de-açúcar. Frequentemente, os líderes da tribo são atacados e assassinados. Privados da sua própria terra, esta tribo vive agora em condições precárias à beira de estradas ou em reservas sobrelotadas, onde o alcoolismo, doenças, violência e suicídios são abundantes.

“Não há futuro, não há respeito, não há trabalho e não há terra onde possamos cultivar e viver. Eles escolhem morrer porque, na verdade, já estão mortos no seu interior”, afirma um dos membros da tribo, citado pela International Survival.

Segundo a ONG, a Coca-Cola, um principais patrocinadores do Mundial, está envolvida na perda de terra desta tribo, uma vez que adquire açúcar à norte-americana Bunge – que por sua vez compra açúcar de cana produzido nas terras que foram retiradas aos Guarani.

Os elementos da tribo enviaram já uma carta à Coca-Cola onde pedem à marca que considere o sofrimento por que estão a passar. “Pedimos à Coca-Cola para considerar o nosso sofrimento. Queremos que a Coca-Cola esteja do nosso lado e sinta a nossa dor e sofrimento porque o açúcar de cana está a estruir toda a esperança futura para as nossas crianças. Pedimos à Coca-Cola que para de comprar açúcar à Bunge”, explicou um elemento da tribo.

Aeroporto Internacional de Munique

Mäyjo, 03.12.14

Aeroporto Internacional de Munique

81cd5696-4406-4f28-a094-efd9767ad7e0.jpg

Munique, Alemanha

48 ° 21'14 "N 011 ° 47'10" E

 

Hoje no Aeroporto Internacional de Munique vai acontecer da abertura do "Welcome to the Antropoceno" Exposição no DeutschesMuseum.

Flughafen München utiliza duas pistas que são 4.000 metros (13.123 pés) de comprimento e 60 metros (200 pés) de largura. É o segundo aeroporto mais movimentado na Alemanha, movimentando mais de 38 milhões de passageiros por ano.

Inovação dinamarquesa permite aquecer apenas a água que precisamos

Mäyjo, 03.12.14

Uma notícia que vem mesmo a calhar nesta época de frio e constipações

Inovação dinamarquesa permite aquecer apenas a água que precisamos (com FOTOS)

Quando aquecemos água numa chaleira ou jarro de água eléctrico, é muito provável que muita dessa água seja desperdiçada – e, no processo, toda a energia que foi despendida para a aquecer. Para mitigar este problema, uma dupla de designers criou a Miito, uma chaleira que aquece apenas a água que queremos.

A Miito, que aquece a água por indução, é uma base que contém um electroíman e se liga à corrente. A base funciona com uma haste fina de metal com um grande pé redondo e uma ponta revestida de plástico. Para ferver o líquido, a haste é colocada no interior do recipiente, que fica sobre a base. A indução electromagnética aquece a haste de metal, e esta aquece a água.

Ao utilizar este processo, apenas a água do recipiente é aquecida. Não há excesso de água aquecida nem energia perdida – é ideal para aquecer chá, por exemplo. Para além de eficiente, o processo é bastante rápido, explica o Gizmag.

“A indução é uma forma muito eficiente de transferir energia”, explicou Nils Chudy, que desenvolveu o Miito com Jasmina Grase. “Acreditamos que uma chávena possa aquecer num minuto, mas ainda estamos a desenvolver [o aparelho]”, continuou.

Assim que o líquido começa a ferver, o Miito volta à arrefecer. Depois, a haste é retirada, limpa e colocada de volta no seu local, na base. Ainda não existe nenhuma data oficial de lançamento, mas os dois designers dizem que ela será enviada, a todos interessados, por email.

A Agricultura Biológica - a afirmação de um Movimento de reaproximação da Natureza II

Mäyjo, 03.12.14

A atualidade em números

a) A Agricultura Biológica no mundo

Segundo dados do Research Institute of Organic Agriculture e da International Federation Organic Movements (FiBL e IFOAM) relativos a 2010, a área mundial de cultivos de Agricultura Biológica é de 37 milhões de hectares - mais do triplo do registado em 1999, e que corresponde a um total de 1,6 milhões de produtores.

Do total global, 12,1 milhões de hectares (32,8%) localizam-se na Oceânia, 10 milhões de hectares (27,0%) na Europa, 8,4 milhões de hectares (22,7%) na América Latina, 2,8 milhões de hectares (7,5%) na Ásia, 2,7 Milhões de hectares (7,2%) na América do Norte e 1,1 milhões de hectares (2,9%) em África.

A nível local, a Austrália é o país com maior área de cultivos dedicados à Agricultura Biológica (12 milhões de hectares), seguida da Argentina (4,18 milhões de hectares) e dos Estados Unidos (1,95 milhões de hectares).

Globalmente, a área em que se pratica Agricultura Biológica representa 0,9% da área de cultivos agrícolas global, mas nem todas as regiões contribuem da mesma maneira, com a Oceânia a ser o território continental que mais se destaca, onde 2,9% das terras agrícolas são alvo de Agricultura Biológica, seguida da Europa (2,1%) e da América Latina (1,4%), encontrando-se a África (0,1%) e a Ásia (0,2% no extremo oposto).

No que diz respeito aos países/territórios, aquele que mais se destaca no que diz respeito à representatividade da SAU (proporção da Superfície Agrícola Útil – SAU) de Agricultura Biológica relativamente à SAU global, é o das Ilhas Malvinas (35,9%), seguido do Liechtenstein (27,3%) e da Áustria (19,7%). 

Relativamente à ocupação das terras dedicadas à Agricultura Biológica em 2010, verifica-se um predomínio das prados/pastagens permanentes (23,7 milhões de hectares), seguido das culturas arvenses - 6,1 milhões de hectares (17% do total), dos quais 2,5 milhões de hectares são de cereais, 2 milhões de hectares de forragens verdes, 0,5 milhões de hectares de oleagináceas, 0,3 milhões de hectares de proteaginosas e 0,2 millhões de hectares de produtos hortícolas. As culturas permanentes ocupavam, em 2010, 2,65 milhões de hectares (7%) – a mais importante das quais era o café (0,64 millhões de hectares), seguido do olival (0,5 milhões de hectares), do cacau (0,29 milhões de hectares), dos frutos secos (0,26 milhões de hectares) e, finalmente, da vinha (0,22 milhões de hectares).

Em relação em 2009, verificou-se uma redução de 50 mil hectares na área onde se pratica Agricultura Biológica, o correspondente a 0,1% da área dedicada à Agricultura Biológica, sendo que os únicos continentes onde esta área cresceu foram a Europa e a África.

Esta redução contrasta com o aumento, a nível mundial, de 8,7% da área dedicada à Agricultura Biológica entre 2007 e 2008. Neste período, o país que registou um maior crescimento foi a Argentina, seguido das ilhas Malvinas e, depois, da Espanha.